Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

Logro

Perséfone colhe narcisos ao colo Logo, abaixo do solo

Quando eu era Eros Menos que cupido, eu era tentação Um convite, um sorriso, toda a atenção Brincadeiras que são levadas a sério Quão estéril é o homem ausente de graça?
Só deslumbra quem se engraça Eis o olhar que se amacia Passo em falso, alto e baixo, Aos ouvidos, poesia
Mas fui anjo displicente Fiz sem pares meus devotos Feri com o arco a mim próprio Já não caço por aí
E das mulheres que toquei Restou-as tanta fantasia Quem diria? Outro dia... Bem sabias: não voltei.


Especiarias & Expiações

- Eu não vou mais voltar aqui. - Conseguiste um emprego decente? - Não, mas vou escrever a minha história. - Tem cuidado, meu filho. A procrastinação é a maldição da vossa geração. - Agora que terei tempo livre não acho que sofra desse mal. - Pois é aí que te enganas. Tempo é como o sono: quanto mais tens, menos tens. - Esse é o seu “boa sorte”? - Eu tenho as minhas maneiras de falar-te dos anseios que tomam o meu coração. - Quão comovente! - Não sejas frio, meu jovem. Talvez tenhas tuas divergências, mas é com o teu patrão e não com a pessoa que agora fala-te. - O senhor tem razão, eu não quis ser rude. - Por muito tempo foste parte de minha família, estando no íntimo de minha rotina. Não vejo uma forma de estar mais próximo de alguém e por isso quero dizer-te que a tua partida nos alivia. Mas também nos preocupa um bocado. - E por que razão? - O alívio é parte de ver um próximo atirar-se ao seu sonho. Essa é a parte bela da vida, é o que nos enche os olhos e nos faz continuar o son…
Eu tenho que refrear meus fluxos de pensamento.
Às vezes eles me atropelam no meio da avenida
e eu nem anotei a placa
[de esmeralda].

Costelas V

Soube dar vida sabida de si assobiando a canção lida a qual, só de lembrar, sorri
sorria “e se” e seus delírios infantis tons anis de poesia martírios em jasmins
“bem-me-queres” jazem as pétalas ao solo pequena Ceres fugaz como a primavera recolhe-se ao colo
a vida ainda é sépia a noite ainda é sono a casa um castelo, a cama um trono... mas a cidade sempre será séria e o mundo, monótono.