Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2017

O Teatro do Informe e a Salvaguarda do Cinismo

Viu-me e mudou de assunto. Emudeceu-se, ou quase isso. Antes, porém, me maldisse – mas pelas costas que é como fazem os algozes. Eu que nada sabia, e que mesmo que isto alegasse, já era mal visto: são os olhos quem julgam, o julgamento já é o prenúncio da pena, mesmo que o réu seja algo de inocente. Nunca se passa incólume por um júri.
Saber demais pode ser um estorvo. É sobre essa premissa que se constrói a relação entre o Conhecimento e o Abismo: a multiplicidade das interpretações seduz o ávido à ilusão. É a oportunidade que a dualidade oferece que acaba por confundir o incauto. E somos incautos todas as vezes que atribuímos feitos às sombras, acaba-se por projetar demais.
Mas o teatro do informe tudo aceita. Aliás, o ator consagrado é capaz de entregar o que quiser para a plateia, mesmo sob delírios alucinados. Eu, entretanto, sempre preferi o cinismo a me defender abertamente, sobretudo por que estes palcos e espetáculos não costumam comportar a discrição, sendo muitas vezes a sono…

Degeneração

Servir a falsos mestresacaba por nos fazerfalsos discípulos.

Das referências necessárias

Quando o discípulo está pronto o Mestre despe a máscara.

Excede!

O que define o mau perdedor é o apego. Quando a vitória justifica qualquer meio, a derrota é simplesmente inaceitável. O problema da não-aceitação, no entanto, é que a vida é ilimitada e toda vez que a contornamos ela excede os limites e nos mostra sua exuberância. É isso que o mau-perdedor não enxerga.