terça-feira, 29 de abril de 2014

Desmanche


Textos encurtam,
pessoas surtam,
anúncios: curtam!

A poesia sublime é um crime

O paradoxo:
quanto menos linhas,
mais entrelinhas.

Palavras evaporam:
sublimação
subliminar.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Vincos


Olhei-me no espelho e pude contar as rugas na face
um sorriso de contentamento:
tudo, agora, faz sentido!
o sorriso é o sentido
mesmo quando gratuitos dizem muito,
ou mais.
quem sorri à toa sempre tem muito a dizer
quem se enruga, permite-se
e Saturno abençoa,
mas insistimos em chamá-lo severo...
e isso
só por sermos medíocres.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Um Trago


Menos que a plenos pulmões
Respirações pausadas
Emoções contidas
Mulheres contrariadas
Vidas lidas
Cartas embaralhadas
Gavetas em formato de vórtice, portando o que o retrato já não suporta, mas o coração mantém seguro.
Aguarda,
Aguardente.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Fortuna


Que as linhas ressoem

As experiências incríveis são muito pouco. O incrível é quase nada.
O deleite efêmero é o derramar receoso, é timidez excessiva.
Os ventos levantam os véus ocasionalmente. Mais excitam do que saciam.
O prazer não é rasgar a seda, é transpassa-la. Deixar que ela roce nossos corpos, pois já não nos impede, mas convida-nos suave e confiante.
A compreensão é da dedicação; e a dedicação só tem haver com disciplina para aquele que vê dificuldade em se doar de ouvidos e de alma.
É preciso compreender para ser compreendido, amar para amar.
Hedonismo não é egoísmo.
Quando o excesso evoca prazeres, apresenta-se o logro.
A sorte reparte-se por si só. Venturoso é quem se tem.