Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

Privado

E o sorriso se fez propriedade
e eu fui feito proprietário.

Insumo

Irrastreável, Incomunicável, Inumerado: às vezes sumo.
Impaciente, Impetuoso, Instável: mudo meu rumo.
Indescritível, Inefável, Indeterminado: me resumo.
E me auto-consumo.

Espetáculo de variedades

Agarrava-se à pilastra indo contra a correnteza. Eu, encostado na parede, recompondo-me, não conseguia desgrudar meus olhos dos dela. Parecia a gravidade a nos atrair, cupidos a nos empurrar, ou mesmo a própria discórdia: que ela estava acompanhada.
Olhos que se procuram mutuamente, bocas que se completam feito peças de quebra-cabeça perdidas na sala extensa, talvez imãs separados pelas mãos de uma criança e talvez esta fosse o destino.
Mantivemo-nos distantes. A troca de palavras foi inevitável: precisávamos testar-nos; precisávamos provarmo-nos. Mas talvez o gosto fosse insaciável, como foi.
E na manhã seguinte escrevo estes versos. Com uma vaga esperança das mãos do destino ter nos soltados por aí, rua afora. Quem sabe?

Universum

Imagem
Dispor-se à vida e deixar-se ser conduzido. Que veleje em brisas e brisas e perca-se no horizonte. E que possua limites, para que possa cruzá-los sem que se perceba E só depois a exclamação despreocupada; o misto de surpresa e reticências: -... ah!