Espetáculo de variedades

Agarrava-se à pilastra indo contra a correnteza. Eu, encostado na parede, recompondo-me, não conseguia desgrudar meus olhos dos dela. Parecia a gravidade a nos atrair, cupidos a nos empurrar, ou mesmo a própria discórdia: que ela estava acompanhada.
Olhos que se procuram mutuamente, bocas que se completam feito peças de quebra-cabeça perdidas na sala extensa, talvez imãs separados pelas mãos de uma criança e talvez esta fosse o destino.
Mantivemo-nos distantes. A troca de palavras foi inevitável: precisávamos testar-nos; precisávamos provarmo-nos. Mas talvez o gosto fosse insaciável, como foi.
E na manhã seguinte escrevo estes versos. Com uma vaga esperança das mãos do destino ter nos soltados por aí, rua afora. Quem sabe?

Comentários

  1. Perfeito!
    As vezes as palavras que a gente procura na nossa mente está na boca de outra pessoa!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Palavras do "dia seguinte"...
    Obviamente doces. Doces.
    Muito bom!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários?

Postagens mais visitadas deste blog

ABRALAS

Transição