sábado, 28 de junho de 2014

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Ademais

Quando trago a poesia do cais
sei que veio de longe
sei que almejo mais

Maresia que trás e que trai
sem berço me restam uns versos
sem versos não fico jamais

Poeta marujo messias
tortuosas as vias de sais
a sinestesia do caos translúcido travestido em cristais

terça-feira, 17 de junho de 2014

O Lobo do Homem


Cerco ao circo & esterco à estepe
Terno & terço ao tenro terco
Torno-me parco? Porco?
Ou me perco?!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

De todos os quandos que não bastaram


à Raquel
de outros carnavais

Te ter é mais que posse.
É o posso-mas-não-devo
ao qual devoto-me
venturoso.

Amor de véspera
ou mesmo este,
vespertino:
é vero,

já nos vimos antes.