quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Detalhes


VI. Os Amantes. Seis.
Escolhas têm que ser feitas, eu sei.
Puxo outra carta:
Três de Paus.
Virtude.
Não há realmente escolha, 
só o que existe é a prudência.
Nietzsche sussurra:
"De duas coisas, 
uma é mais necessária que a outra."
Toda média é mínimo,
Todo príncipe é pouco,
Tudo tende ao Todo.
Sinto o suor, meu corpo quente
euforia engasgada
o desconhecido me visita
eu, anfitrião de mim,
mestre de cerimônias íntimas,
ritualística da alma imperiosa
que dita o que é
sobre quem quer que seja.
A mão coça.
A direita, Liberdade.
São as linhas se refazendo
justaposição à Fatalidade.
Qual ser morre simétrico
diante tantas encruzilhadas?
Mas ainda,
quem escapa às vias principais
em seu caminhar tortuoso?
Cada sulco na palma
é um entalhe n'alma
e os caprichos,
os quereres desmedidos,
são só detalhes
em meio à Eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários?