terça-feira, 26 de maio de 2015

Costelas XI


Olhos de abismo
Verde-absinto
Absoluto insolúvel
Mesmo amarga, ama-me:
Aos tragos de abstenção!

O avesso absorto
Mero reflexo-convexo
Dos aros e dos ares
Um morto por troca de olhares
Sou porto de destinos desconexos

Olho por olho
E a divina discrição.
Os sinos se dobram,
As sinas se cobram,
Amante-Talião

Investidas morrem nas lentes
Um peso, uma medida
Dente por dente
Boca mordida
O silêncio é transparente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários?