sexta-feira, 17 de abril de 2015

GÊNESE


No início
Havia cortinas de veludo vermelhas
Que encerravam
Por trás de si
O Vazio Primordial
&
Ao canto de conciliação
Contraiu-se
O vasto oceano escuro
Num rasgo seco
Do romper de tecidos
&
Da fenda
Fizeram-se feixes
E por cada fresta
Flechas
De Luz
&
O Imanifesto
Inefável
Esboçou-se
Primeiro baço
E então evidente
&
Houve o deslumbre
Tudo o que Há
Experimenta-se
Em uma apoteose
Apocalíptica

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários?