terça-feira, 10 de março de 2015

Xeque-Mate


Quando eu escrevo diálogos eu me sinto um enxadrista desafiado pela própria empatia, ensaiando o imprevisível e confrontando o espontâneo.

Eu sempre venço, mas só às vezes eu me aplaudo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários?