segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Âmago Amargo

Severo, pois vês-me as sombras da face e lês as linhas dos calos.
Rude quando a voz é velada e a frase é curta.
Felizes os mistérios, que ganham o mundo sem desnudarem-se e povoam as bocas pelas fantasias.
Pois não seria o deleite mera provocação?

Íntimo, além de mim.
Quando desconheces-me é quando sou;

E quando sou, uivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários?