domingo, 16 de outubro de 2011

Leves Deslizes

ao som de Constantina

Vem-lhe, então, o mundo inteiro, em seu peso & pesar, debruçar-se em suas costas & encharcar-lhe em lágrimas escorregadias que lhe inundam a dúvida & recheia-lhe de incertezas.

Vem-lhe só. E, precavido, nem espera ser acolhido.

Desacreditado, não espera nem ser notado.

Mas pesa. E pesa mais do que um mundo só. Pesa mais do que uma vida de solidão; o suficiente para fazer os ombros cederem.

O peso do desequilíbrio.

Um comentário:

  1. Que lindo isso, Rodrigo! Forte como um vendaval e simples como as gotas de uma chuva tranquila pela madrugada...

    ResponderExcluir

Comentários?