quinta-feira, 14 de abril de 2011

Sobre o Alívio & Sobre o Fascínio

-Sou apaixonada pelo seu silêncio.
O sussurro, infestado de meias palavras sorrateiras, trouxe-me de volta ao real com um susto. E o coração, interrompido, não se decidia pelo motivo.
Próxima ao meu ouvido eu pude presenciar sua respiração tímida e, em dois movimentos, meus ombros estavam cobertos por seus volumosos cabelos.
Pôs-se em minha frente, a encarar-me, procurando uma resposta qualquer em meu corpo. Seus olhos, intensos, imploravam para fluírem com seu ímpeto habitual. Que queria explodir em palavras e em reticências. E no entanto seguia fria, de expressão calculada, a me testar? mas calada como estive há pouco; como permaneci.
Demorou-se um pouco mais diante de mim. E doce, não me cobrava respostas; apenas as esperava, consentindo minha ausência sonora. E ela amava estar ali consigo mesma e comigo ao mesmo tempo.
E leu em mim a reciprocidade.
Por fim um sorriso contido iluminou sua face contando-me sobre o alívio e sobre o fascínio. Então se retirou.
...deixando comigo seu cheiro, impregnado em minhas roupas e suas palavras, gravadas em minha memória.

E, de distraído, passei a [um silêncio] concentrado.
Havia tanto no que pensar.

Um comentário:

  1. "Que queria explodir em palavras e em reticências." Escreve muito bem! ;)

    ResponderExcluir

Comentários?