segunda-feira, 26 de abril de 2010

Borrão

Foge do mundo.
Mas volta arrependido, cabisbaixo e sem palavras de consolo.
-Mas não trouxe nenhuma?! Não vistes tanta coisa?!
E segue com as bochechas rosadas e com a voz lhe escapando. Segue por seguir porque não sabe aonde ir.
Memória fraca. Talvez tudo gravado, mas, sendo assim, então, era péssimo em transpor!
E transpirava cenas de filmes envelhecidos. Filmes mudos, música clássica!
Ah! E suava a realidade para fora de si e fazia a multidão confundi-lo com uma ilusão.
Provocava o público só de subir no palco! – trabalhava, para deleito geral, nas vinte quatro horas que tinha o dia e nos sete dias que tinha a semana.
Afinal, era só uma atração. Uma atração à parte, mas não deixava de compor o espetáculo.
E vivia a questionar a ironia de lágrimas escorrerem pela face de um palhaço.
Devia parar: estava borrando a maquiagem.

3 comentários:

  1. Eu bem tenho as minhas dúvidas quanto a sua afirmação. Acredito que o meu seja pior.
    E também tem história :D Quando eu estava na quinta série, um amigo do meu irmão, que estudava no mesmo colégio, cismou que era meu namorado.
    Ele vivia grudado com um outro amigo, por isso eles era chamados de Tico e Teco (ele era o Teco), daí.. como eu fiquei sendo o par do Teco e como sou pequenininha, acabou ficando Tekinha hahaha =D
    E a segunda parte é porque o msn de todo mundo do condomínio onde eu morava tinha a tal sigla.
    Sem mais delongas: tekinha_vp@hotmail.com
    Não consigo digitar isso sem rir de mim mesma xD

    ResponderExcluir
  2. maravilhosamente belo...
    tocante...
    lindo, sublime delicado, de um modo suave e firme, muito sua cara...
    saudades suas...
    bj
    =]

    ResponderExcluir

Comentários?