quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Impessoal


Amontoam-se inevitáveis.
Como vermes infestando páginas e desuniformizando-as com os diversos formatos que assumem.
Tombam ou espremem-se & acomodam-se sobre linhas: tão espaçosos que roubam o olhar!
Pensamentos registrados; sinônimos – como palavras-muletas – gravados ao lado do original; explicações de contexto; setas que se cruzam & confundem-se, e desembaraçadas são uma linha de raciocínio explícita. Termos quase ilegíveis, ou mesmo em letras bordadas! Cada um que consumiu aquele calhamaço deixa uma forma de acessar suas ideias, abrir o cadeado da mente que porta.
E as páginas, inocentes & ingênuas, parecem não se importar com o abuso dos leitores. Pelo contrário! Conforme envelhecem e dobram-se em amassos sentem falta do toque, de dedos as apreciando, o calor das mãos que transmitem o afinco de um fim de capítulo e o afrouxo do abraço do término & recomeço.
Acho charmoso o tempo que se instala tão característico em teu amarelar. Convidativos teus rabiscos, interessantes tuas expressões que te habitam tão fiéis, resistentes ao manejo. E eu até poderia te amar! Confesso ciúmes às tuas marcas, teus giros pelo mundo... Além de tudo, sou complicado! De um amor cheio de pormenores, intenso & exigente. Mas o tanto que sou detalhista daria certo contigo, com todas estas inscrições sobre ti!
O que não suporto é limitar-me! Ter data para amar-te, saber certa a despedida...
Sou, portanto, sutil. E deixo-te registrada a minha obsessão. Pública.

5 comentários:

  1. teve a manha nessa - "cada vez mais velhas e amassadas sentem falta do toque de dedos as apreciando, toda aquela pressão de mãos que lêem um capítulo com afinco e logo no próximo afrouxam o abraço, mas persistem no interesse."

    ResponderExcluir
  2. Me sinto humilhada com a sua capacidade de juntar as palavras, os sentimentos e os pensamentos. Parabéns². (:

    ResponderExcluir

Comentários?