Um bilhetinho

"A sorte lhe faltou ao ter sido moldado com tanta inconstância”.
Foi um lembrete da noite anterior, fruto da insônia que reduzia minhas opções. E uma hora  nosso corpo desaba sem que sequer nos demos conta e é geralmente quando se diagnostica o estado crítico. Quando acordamos a amnésia já tinha nos envolvido novamente e tudo o que sobrou foi o saldo com nosso corpo, que já era negativo e agora passava a ser insuportável.
Álcool demais, distrações involuntárias como conseqüência das noites mal dormidas, músculos atrofiados, falta de higiene e refeições desequilibradas. E tudo resultava na falta de ânimo para as coisas novas e o sincero desejo pela nossa cama e a eterna solidão do sono. Transitamos entre o sonhar e a vigília sem saber exatamente onde nos encontramos. E, indiferentes,  nem esperamos a visita do extraordinário, já que nunca nos lembramos de nossos sonhos.
Acordamos cada dia um e por isso insistimos para que os verbos sejam plurais. Pois múltiplos, sentamos sempre na mesma cadeira a realizar sempre as mesmas tarefas numa rotina que não nos comporta, por sermos demasiadamente um. Excedemos o limite de um corpo e transbordamos nas atividades diárias e, derramados, sentimo-nos desperdiçados e, ainda assim, impotentes perante os demais. Somos ideias, e sentimentos, e planos, e atos, e não queremos ser contidos. Necessitamos ser controversos, paradoxos rumando à genialidade e desmistificando extremos, provando que a alinearidade se comporta e se complementa de uma forma intrigante. Queríamos solucionarmo-nos, mas não há espaço para isso.
Em decorrência das circunstâncias, nosso expurgo caprichoso. E nessa sublimação, acabamos por deteriorar constantemente o corpo que habitamos. Talvez dessa forma até faça mais sentido nossa existência múltipla, mas de fato não é tão confortável como parece.
Em desvairos esquizofrênicos caminhamos pela casa, de cômodo a cômodo, conversando em voz alta. Eis que, nesses dias passados, nos deparamos com um um bilhetinho no chão:
“A sorte lhe faltou ao ter sido moldado com tanta inconstância”
E no verso:
"Ou não."

Comentários

  1. Nú, e o tanto que eu achei foda !
    tô gostando de passar sempre por aqui. (:

    ResponderExcluir
  2. noites mal dormidas, higiene precária e amnésia alcoólica.. tudo isso me soa familiar...
    curti o texto... mas deixo aqui o meu protesto: vc não pode brincar de punk, já te saquei.

    aqui, faz um texto inspirado em misfits? aposto que vai ficar legal
    beijinhos nas nádegas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários?

Postagens mais visitadas deste blog

ABRALAS

Transição